VIA G1 – A Polícia Civil concluiu e encaminhou à Justiça nesta semana o inquérito sobre a morte da jovem Aline Silva Dantas, de 19 anos, em Alumínio (SP). O processo corre pelo Fórum de Mairinque (SP).
Aline foi encontrada morta três dias depois de desaparecer, em setembro deste ano, quando saiu de casa para comprar fraldas para a filha de um ano. O corpo da jovem estava em uma área de mata e parcialmente queimado sob troncos de árvore.




O suspeito Heronildo Martins de Vasconcelos, de 45 anos, foi preso em casa depois que a polícia identificou o DNA dele no corpo da vítima. O homem negou envolvimento, mas foi indiciado por estupro, homicídio qualificado e ocultação de cadáver.
“Foi relatado perfeitamente com todos os laudos e o caso está esclarecido em detalhes”, afirma a delegada responsável pelo caso, Luciane Bachir, da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Sorocaba.

Entenda o caso

Conforme a polícia, após matar e estuprar Aline, no dia 8 de setembro, Heronildo foi para um velório na cidade onde ficou até a manhã do dia seguinte. Ele deixou o local por volta das 6h e teria furtado uma embalagem de álcool em gel.
De acordo com a delegada Luciane Bachir, Heronildo foi o principal suspeito desde o início. A polícia informou que a vítima e o homem não se conheciam e o crime não teria sido premeditado.
Heronildo tem passagem por uma tentativa de estupro em 2012, também em Alumínio. Na época, o ataque à vítima foi parecido com o de Aline: na rua e em local sem movimento.

Buscas do Cão Max

Após dois dias de operação, nesta quarta-feira (11), o cão k9 da Guarda Civil Municipal de Itupeva, Max, localizou um corpo em fase de decomposição. As evidências indicam ser da jovem Aline Silva Dantas, de 19 anos, desaparecida desde o último domingo (8), na cidade de Alumínio. (FOTO G1/TV TEM)




Na manhã de terça-feira (10) o cão farejador recebeu uma convocação para ajudar na investigação. Antes de ir a campo, o instrutor GCM Santos, o GCM Martins e Max foram até a residência da garota, no bairro do Pedágio, onde foram coletados odores em roupas, peças de tecido, tênis e outros objetos pessoais.




O corpo foi encontrado em uma mata na Vila Santa Luzia e estava coberto por pedaços de madeira e parcialmente carbonizado. “Trabalhamos em conjunto com a cachorra Bazuca, de Mairiporã, ambos da raça Bloodhound. Os dois cães entraram em uma mata e quando chegaram próximo de um rio que recebe esgoto da cidade, indicaram que poderia ter algo naquele local. Foi aí que o Max se aprofundou na margem e localizou o corpo. A identificação leva crer que seja a jovem Aline, porque foi feita com base nos pedaços do vestido que a garota usava no dia do desaparecimento”, explicou o subinspetor da GCM de Itupeva, Reinaldo Saraiva, que acompanhou o caso. Os dois cães já tinham trabalhado juntos e participado com êxito no caso da menina Vitória, em Araçariguama, no ano passado.




Max – O cão Max é certificado pela CBKC (Confederação Brasileira de Cinofilia), na modalidade Mantrailing (busca por meio de um odor de referência) Nível 1. Ele é da raça Bloodhound e tem três anos de idade. Já auxiliou em buscas nas cidades de Indaiatuba, Piedade, Araras e Araçariguama, ambas em São Paulo, além da cidade mineira de Senador Amaral.




O mantrailing é uma modalidade de treinamento de faro para busca que parte do instinto de caça dos cães e de sua habilidade natural de trilhar, utilizando o odor característico de cada indivíduo a ser localizado. Esse treinamento é o que torna possível a busca por pessoas desaparecidas.




Imagens

Câmeras de segurança registraram Aline entrando em uma farmácia para comprar fraldas para a filha. Em outras imagens, ela aparece caminhando pelas ruas da cidade, sempre sozinha.
Em outra imagem conseguida pela polícia, Aline aparece caminhando e sendo seguida pelo suspeito
Segundo a polícia, o corpo de Aline foi identificado com base nos traços da vítima e de pedaços do vestido que ela usava no dia do desaparecimento.
No dia seguinte ao encontro do corpo de Aline, em 12 de setembro, policiais encontraram um artefato explosivo na área onde foi localizado o corpo de Aline. A polícia informou que o artefato foi deixado no local depois que o corpo foi encontrado e não há relação com o crime.
O velório da jovem foi realizado na manhã do dia 12 de setembro. Ela foi enterrada no cemitério municipal.