A partir de sexta-feira, o Ministério da Saúde anunciou que vai liberar 3,4 milhões de unidades do medicamento cloroquina para que os médicos possam avaliar seu uso em pacientes graves do novo coronavírus




De acordo com a pasta, a cloroquina será administrada dentro dos hospitais para os pacientes que manifestarem o estado grave do novo coronavírus. Vianna afirma que será uma “alternativa terapêutica” a esses pacientes.

“Buscamos na literatura científica e vimos que ainda há lacunas de conhecimento, mas devido ao nosso conhecimento desse medicamento, vamos oferecer essa alternativa terapêutica por cinco dias nos casos graves da doença. Sintetizando: tratamento de curto prazo, cinco dias e vamos monitorar passo a passo o uso de terapêutica no SUS”. explicou.




De acordo com o secretário de ciência, tecnologia, e insumos estratégicos da pasta, Denizar Vianna, o medicamento é considerado “muito promissor” para o tratamento do novo coronavírus, mas não deve ser “usado fora dos ambientes hospitalares”.

“Esse medicamento não está indicado para a prevenção da Covid-19 e não está autorizado o seu uso fora dos ambientes hospitalares. Faço um pedido aqui: não usem esse medicamento fora do ambiente de hospital. A cloroquina pode causar arritmia cardíaca no paciente e precisa de acompanhamento”, disse o secretário.